Skip links

Novo Território

Estamos a ser convidados a percorrer um novo território, onde o sentido de comunidade é o retorno à nossa Raiz.
Tudo se renova, a todo o instante. E aqui e agora, acredito que a maior de todas as manifestações está em resgatarmos, desde a nossa alma, uma vontade genuína em aprender a confiar na Terra e no Céu.

Esta é a profundidade que nos sustenta e é ela que nos ensina, a cuidar de um novo espaço e de uma nova linguagem.
É ela que nos ajuda a compreender a importância do auto-cuidado, assim como a disponibilidade para cuidar do outro.
Estar Presente para esta consciência, a cada dia, ajuda-me a tocar no quão é importante, neste momento, resgatar a Oração. A acção a partir do Coração.
Rezar é aprender a sustentar o espaço Comum. É aprender a segurar um espaço sagrado dentro de cada um de nós, para que Todos possamos sentir e descobrir a Verdade.

A vida de cada um é suficientemente relevante e importante. É tempo de avançar, com fé e respeito. É tempo de descobrir que é seguro falhar e tentar, falhar outra vez e depois conseguir.
Partilhar a nossa força, assim como aprender a expressar sem medo aquilo que sentimos, ajuda-nos a dividir a responsabilidade. Ajuda-nos a compreender melhor quais as necessidades de cada um e, por isso, ajuda-nos a criar novos acordos, mais claros e consistentes.
Estamos aqui para nos guiarmos uns aos outros, até à Unidade.
E, por isso, é da nossa maior responsabilidade retornar a certos lugares da nossa história para juntos, olharmos, reconhecermos e compreendermos onde contribuímos para a sombra que se revela no meio do caos e da desordem.

Sentir a Alma do Colectivo é aprender a respirar uma nova consciência.
E eu acredito na força da nossa Raiz. Acredito na ressignificação do sentido de Família e de Comunidade. È tempo de co-criar, partilhar visões, dons, paixões e propósitos. É tempo de aceitar que juntos podemos estar ao serviço de um propósito maior.
É tempo de restabelecer laços com a Consagração da Vida. É tempo de viver com o Sagrado, em amor e compaixão.

Sara Rica

Deixa um comentário