Skip links

Ressignificar Portugal

Nesta terra vivem pessoas que estão, de uma maneira ou de outra, despertas para uma energia de Cura que aqui se Sente.
São seres humanos, fazedores, agentes da mudança que Sentem, Sonham, Respiram e Amam e que “dia-a-dia encarnam Portugal onde quer que Portugal seja”.
São Almas que acreditam na integração do Sagrado no quotidiano e que ajudam a reconstruir as nossas Raízes, por um propósito maior que pede muita Fé e Coragem.

Raiz de Portugal deseja Reabilitar, Ressignificar e Reconciliar a Memória e a Comunidade que é a nossa Raiz. Deseja criar pontes e unir todos numa representação que nos define como pessoas, comunidade e nação humana e espiritual.
É a acção que Humaniza a Espiritualidade e que Espiritualiza a Humanidade, devolvendo as pessoas ao Sagrado, à Terra e à Natureza como Santuário. É, assim, a participação activa na evolução da consciência humana através da conexão com a Terra e com o Céu, tendo o Coração como Guia.

É a nossa profundidade que nos ajuda a resgatar a nossa sabedoria interna e é ela que nos desperta para a existência da nossa Alma. E só é possível fazer o resgate e a mudança colectiva quando integramos a experiência individual.
E para que tal aconteça é necessário religar o Ser ao seu próprio Corpo, Coração e Espírito. Trata-se de resgatar e ressignificar os sistemas de cura da Alma para que os Corações se purifiquem e se reequilibrem porque são eles que zelam por toda a nossa sabedoria.

Vamos cuidar do sítio onde nós estamos, cuidando de nós próprios, transformando assim a memória colectiva que representa uma mensagem energética – um Corpo de Luz. Porque o que se aprofunda colectivamente, neste território, tem um impacto importante no Mundo.

Raiz de Portugal é uma Casa que se descobre a ela própria, a partir de uma visão, que reúne muitas outras visões, e que se manifesta através de um propósito colectivo. É, por isso, a Reunião de uma Grande Família.
Torna-se necessário UNIR. Firmar as nossas raízes de forma a que elas permaneçam Vivas e Protegidas.

Sara Rica

Deixa um comentário